Parafusos, Parafuso (Porca, Porcas, Arruela, Arruelas, Aço, de Carbono, Médio, de Inox, de Latão)
   
 
Bem-Vindo ao nosso Site!

APLICAÇÃO DE FORÇA TENSORA PARA PARAFUSO

Fator Multiplicador (R), em função da força atuante na junta

Se a força atuante na junta for transversal, seja ela estática ou dinâmica ( conforme figura abaixo ), adoteR = 6,4

Tabela de Força Tensora

Se a força atuante na junto for axial, dinâmica e excêntrica ( conforme a figura abaixo ), adote R = 2,5

Se a força atuante na junta for axial, dinâmica e concêntrica ou axial, estática e excêntrica ( conforme figura abaixo ), adote R = 1,575

Se a força atuante na junta for axial, estática e concêntrica ( conforme figura abaixo ), adote R =1

Fator de aperto A Dispensão de Fm Técnica de Aperto Técnicas de Ajustagem Notas
1 +/-5% até +/- 12% Aperto por controle de limite de escoamento ( manual ou automático )   A dispersão da força tensora é predominantemente determinada pela dispersão do limite de escoamento do lote de parafusos montados. Neste caso os parafusos são dimensionados por FMmín; portanto o fator de aperto A é omitido para este método de aperto
1 >< 5% até >< 12% Aperto por controle de ângulo de giro ( manual ou automático ) Determinação experimental da curva torque x ângulo na junta original Valores inferiores para parafusos com grande comprimento. Valores superiores para parafusos curtos
1.2 até 1.6 >< 9% até >< 23% Aperto por medição de alongamento ( aperto hidráulico ) Ajuste por medição do alongamento do parafuso ou medição de pressão
1.4 até 1.6 >< 17% até >< 23% Aperto por controle de torque ou aparafusadeira de precisão ou medição de torque dinâmico Determinação prática do momento teórico da junta aparafusada original. Por exemplo, mediante a medição do alongamento dos parafusos Valores inferiores para: grande número de ensaios (exemplo 20 ) pequeno dispersão do momento aplicado. Limitação eletrônica do torque durante a montagem em aparafusadeiras de precisão Valores mais baixos para: giro, isto é, juntas relativamente rígidas. Juntas com superfícies de apoio de dureza relativamente baixa. Superfície de apoio engripamento, por exemplo, fosfatizada. Valores mais altos para: grandes ângulos de rotação, isto é juntas de baixa rigidez, assim como rosca fina. Dureza muito alta da superfície da junta, associada à rugosidade alta. Desvios de forma.
1.6 até 1.8 >< 23% até >< 28% Determinação do torque necessário, mediante avaliação dos coeficientes de atrito Valores inferiores para torquímetro de precisão, por exemplo, torquimentos eletrônicos. Valores superiores para torquímetros sinalizadores ou com catraca
1.7 até 2.5 >< 26% até >< 43% Aperto por controle de torque mediante aparafusadeira Ajuste de aparafusadeira com momento de reaperto tomado a partir do momento teórico de aperto, por estimativa de coeficiente de atrito e de um acréscimo Valores inferiores para grande número de ensaios e aparafusadeiras com embreagem de desacoplamento
2.5 até 4 >< 43% até >< 60% Aperto por controle de torque com uso de chave de impacto. Ajuste de aparafusadeira através de momento de reaperto, como acima Valores inferiores:
Para grande número de ensaios, trabalhando no trecho horizontal da curva. Aparafusadeiras precisas. Transmissão de impulso isento de folga.

Coeficiente de Torque (k)

Parafuso Cabeça cilíndrica com Sextavado interno

Métrico: DIN 912 - ISO 4762
Polegada: ASME B 18.3

Coeficiente de Torque (k)

Garantia de Resistência à Fadiga do Parafuso Tellep

Resistência à fadiga, conforme equação desenvolvida por Kloos e Thomala para parafusos com rosca rolada antes de tratamento térmico.

Ensaio conforme ISO 3800 com carga média = 0,75 RP 0,2

Resistência à Fadiga do Parafuso Tellep

Dados de Aplicação

Dimensão de Escareado e Furo de Passagem

Dimensão de Escareado e Furo de Passagem

d0 = Furo para corte da rosca
d1 = Furo de passagem - grau médio ( ISO 273 )

Dimensões em Milímetros

Dimensões em Milímetros

(1) Chanfro de 90º. Para diâmetro de rosca menores que M12, deve ser somente romovido rebarbas

Dados de Aplicação

Dimensão de Escareado e Furo de Passagem (ASME B 18.3)

Dimensão de Escareado e Furo de Passagem

d0 = Furo para corte da rosca
d1 = Furo de passagem - Ajuste Normal ( ASME B 18.3 - APRENDIX A )

(1) É aconselhável escarear ou quebrar os cantos dos furos de passagem em peças que têm a dureza próxima, igual ou maior que dureza do parafuso. O escareado ou o alívio dos cantos, entretanto, não deve ser maior que do que o necessário para garantir que o raio de assentamento do parafuso fique livre. Normalmente, o diâmetro do escareado não deve exceder o diâmetro de assentamento do parafuso, pois isso pode reduzir a área efetiva de assentamento.

 

Voltar

Rua Carlos Nilson, 81 V. São Luis - Limeira - SP | CEP: 13480-375
Fone/Fax: (19) 3451-4788


who's online